Carregando..

O sonho de muitos artistas é transformar sua arte em negócio e ganhar dinheiro fazendo o que mais gosta, porém esse caminho pode parecer um pouco complicado à primeira vista. A desvalorização do mercado criativo, a falta de conhecimento para investir e o medo são algumas das principais razões em adiar essa ideia. 

Para te inspirar e acabar com esse receio trouxemos 5 artistas brilhantes que transformaram sua arte em negócio: 

  • Amanda Mol 

https://www.instagram.com/p/B40iv41JGeo/

 

A paixão pelas ilustrações vem desde a infância e mais crescida decidiu estudar design de moda no Rio para desenvolver suas ilustrações com novos ambientes e propósitos. Foi então que enxergou um novo mundo: criar aquarelas para estampar produtos capazes de inspirar a vida de outras pessoas também. Decidiu abrir seu atelier em Varginha (MG), sua cidade Natal, e decidiu buscar inspiração para criar na leveza da vida. Amanda decidiu então aumentar ainda mais as possibilidades de produtos e começou a criar itens exclusivos de design e decoração idealizados por ela mesma com muito carinho. Na loja física e no e-commerce é possível encontrar desde planners com ilustrações únicas até velas aromáticas e luminárias. 

  • Lela Brandão 

View this post on Instagram

nao me mande nudes me mande jobs 🌿

A post shared by Lela Brandão (@lela.brandao) on

A paulista Lela Brandão tem como inspiração principal o desejo de inspirar outras mulheres e sente na arte um espaço para aflorar sua forma mais genuína e tranquila. Segundo a artista, abandonar o estágio em arquitetura para se dedicar a carreira artística foi uma das primeiras reviravoltas que a nova vida lhe proporcionou. “Isso influenciou imensamente a forma como eu via meu trabalho: antes era um hobby, depois, uma prioridade. Tive que aprender a empreender na marra, começar a levar mais a sério meus processos e aprender a respeitar meu tempo, equilibrar a demanda com saúde mental e tudo mais”, conta ela ao Projeto Curadoria. Atualmente, ela cria diversos itens inspirados na sua personalidade feminista como camisetas, ecobags e ilustrações que você encontra na loja online. A artista também cria ilustrações exclusivas em paredes de acordo com o pedido da cliente. 

  • Juliana Mota 

View this post on Instagram

Feriadinho e bordado em um dos meus lugares preferidos @do_sitio

A post shared by Juliana Mota (@julianamotabordado) on

“Designer por formação, ilustradora e bordadeira por amor”, assim se define a artista Juliana Mota. O amor pelos bordados começou de forma espontânea em 2014, vendo vídeos online e, desde a primeira espetada da agulha no tecido, nunca mais parou. A partir daí ela criou a sua própria marca, Juliana Mota, para a qual ela cria bordados únicos, feitos com muito carinho e afeto e ministra workshops pelo país. Ela oferece desde bordados prontos feitos por ela mesma até desenhos exclusivos com guias de pontos para iniciantes. 

  • Helen Fernandes –  Malfeitona

View this post on Instagram

não sei se alguém aqui já leu O Hobbit. Eu já li tantas vezes que até tenho ele em outras línguas pq eu lembro tanto dos trechos que da pra ~aprender~. Tem uma hora que sobre os dias ruins as pessoas falam longamente e escrevem histórias, mas bons não há muito o que falar. Atualmente eu não sei se concordo, mas ontem foi uma manhã ótima com Victor e a legenda vai ser curtinha. Eu amei a ideia da tatuagem dele ser tão aberta e ele deixar eu criar (ele queria uma tatuagem para frase, ama a cor azul e remetia a ele asas). Só que Victor é o maior fã de paramore que você respeita e eu amo muito aaaa eu até vesti a camisa pra ele <3 então foi uma manhã ótima cheia de paramorismo e os dois cantando e Victor teve até a (des)honra de um show particular e aula de leitura de acorde hahaha <3 bom domingo pra vocês :3

A post shared by Malfeitona (?(•???•?)?) (@malfeitona) on

 

A arte sempre esteve presente na vida de Helen Fernandes, seja criando com massinha de modelar, pinturas, bordados, nail art ou estampando camisetas para ela mesma ou para os amigos. Formou em engenharia pela procura de estabilidade mas  em 2014 a tatuagem entrou na sua vida de forma lenta mas apaixonante. E a partir disso, ela decidiu levar sua paixão pela arte mais a sério. Os desenhos da baiana fora do padrão e definidos (no exterior) como “Ignorant Style Tattoo” tem feito muito sucesso e muita gente decidiu eternizar na pele algumas criação da “Malfeitona”, como é conhecida nas redes. Ela contou ao site Follow the Colors, que sua formação em engenharia e sua experiência de trabalho com administração de um loja e gestão hoje a ajudam muito a organizar sua atividade e produção. Além de tatuadora, Helen também é ilustradora – já trabalhou para marcas como We Transfer e Estadão – professora em cursos e oficinas, influenciadora digital e pesquisadora CNPq. Seu tema de pesquisa é justamente essa multiplicidade de tarefas. E a história de Helen mostra que a vida não é uma coisa linear.

Já pensou em fazer parte desse time de artistas que transformaram arte em negócio? Assine o Clube Criativo, aprenda um novo hobbie ou aprimore seu talento e crie seu negócio.